Siga-nos nas redes sociais:

 
Em  entrevista ao Portal Madre Notícias , Dom João Carlos Petrini falou sobre o processo de abertura das igrejas, a questão econômica das paróquias e também do processo de sucessão

Em uma entrevista descontraída e esclarecedora ao Portal Madre Notícias na tarde desta terça-feira (28), o bispo da Diocese de Camaçari, Dom João Carlos Petrini, de 74 anos, falou sobre o processo de abertura das igrejas, a questão econômica das paróquias e também do processo de sucessão, já que o religioso deixará o mandato após completar 75 anos. A Diocese de Camaçari é composta por 25 paróquias dos municípios de Candeias, Camaçari, Dias D’Ávila, Madre de Deus, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé, Simões Filho e Terra Nova.

Perguntado sobre uma data especifica para reabertura das igrejas, visto que, em alguns municípios, a exemplo de Madre de Deus, já existe liberação para a retomada das atividades presenciais, Dom Petrini ponderou.  “A orientação da Diocese é estudar caso por caso e manter as medidas protetivas que já vem sendo adotadas nas igrejas. Distanciamento, uso obrigatório máscara, utilização do álcool em gel. Essa é a orientação. Não temos essa ansiedade toda de reabrir as igrejas”, explicou.

O bispo disse ainda que os casos de Covid-19 estão muito altos para uma reabertura em massa. “Iremos analisar mais á frente como estará os casos de coronavírus. Nossas igrejas não pararam, tudo está acontecendo de forma online e, por incrível que pareça, estamos alcançando mais pessoas”, afirmou.

Ainda falando de tecnologia, Dom Petrini acredita que irá acontecer uma mudança significativa ao que se referentes às atividades da igreja. “É um caminho sem volta. As reuniões com os padres que fazíamos alguns tendo que viajar quilômetros, hoje fazemos isso de casa. É claro, que em alguns momentos estaremos perto uns dos outros, mas a tecnologia vai mudar muito nossa logística. Tenho relatos de padres que tem celebrações que alcançam mais de 600 pessoas, esses números não podem ser menosprezados”, destacou.

Dom Petrini também falou sobre a questão do dízimo nas paróquias. “Tivemos que economizar, gastar menos, mas os fieis continuaram a devolver o dízimo, pedir intenções particulares nas santas missas, indo nas secretarias das paróquias. Ou seja, a igreja caminhou. A palavra de Deus continuou e continuará sendo anunciada”, ressaltou.

Em novembro, Dom Petrini completará 75 anos e terá que deixar o comando da Diocese de Camaçari após 10 anos. Ele explicou como ocorrerá a sucessão. “Eu devo enviar uma carta ao Vaticano um mês antes, comunicando ao Papa que cheguei a idade limite. Daí, cada bispo da Bahia indicará três nomes para minha substituição (podendo ser bispo ou padres) e enviará para o Vaticano. O próximo passo é que os três mais votados vão para Roma e lá sairá o veredicto final de quem será o novo bispo”, explicou.

Petrini finalizou a entrevista deixando uma mensagem aos fies. “Não desanimem! Vivam a vida com muita intensidade e responsabilidade. Tudo isso vai passar menos o amor de Deus por nós. Não abandone sua igreja e nem sua fé. Se mantenham firmes e fortes”, encerrou.

Fonte : Portal Madre Notícias

 
Indique a um amigo
 
 
Notícias relacionadas

Fale conosco

Newsletter
CADASTRE SEU E-MAIL e receba notícias atualizadas da Diocese de Camaçari

Copyright © Diocese de Camaçari. Todos os direitos reservados